Novos Povoadores

Apoiamos familias metropolitanas a instalar negócios em territórios rurais

Clique na web em 2007

Para o ano, a Internet vai chegar onde nunca esteve e esforçar-se para andar bem mais depressa. Os milhões de cidadãos comuns eleitos pela revista ‘Time’ assim o exigem

Nunca o mundo esteve tanto aos nossos pés como agora. Colocar um vídeo no YouTube oferece uma audiência planetária. Comentar uma obra na megalivraria «on-line» Amazon.com pode disparar a compra do título junto de milhares de outras pessoas como nós: cidadãos comuns. Criar um blogue influencia a opinião de amigos e dos amigos dos amigos… Nunca os cibernautas puderam dizer com tanta certeza: a rede sou eu!

Foi assim em 2006 e assim será em 2007. Com uma pequena diferença: os internautas estão mais conscientes do seu poder. Para tal, muito terá contribuído a revista ‘Time’ ao eleger como figura do ano todos aqueles que inseriram novas entradas na enciclopédia Wikipedia, os que criaram uma vida virtual no «site» Second Life ou os que já estão presentes no Myspace. Até agora os internautas vinham à rede para consultar informação. Por estes dias, estão lá para partilhar conteúdo. A web 2.0 veio para ficar e daqui só pode evoluir.

A net terá de estar em toda a parte. Onde não estiver «online» pode estar «offline», mas sem dúvida que estará lá. Confuso? Talvez tudo fique mais claro sabendo que o iPod - o mais popular leitor de música portátil -, caminha a passos largos para a integração total com o automóvel.

Não se trata de conduzir com os auriculares nos ouvidos, mas de escolher os ficheiros transferidos para o iPod (sejam programas de rádio ou tão somente música) através do próprio sistema de som do automóvel. Segundo um estudo de mercado realizado pelo «site» Autobytel.com 30.7% dos que têm um iPod estão interessados em usar o aparelhómetro no carro.

No entanto, nem só de iPod se faz a net móvel. Se não for já em 2007, pouco mais deverá faltar para que os automóveis possam estar ligados: entre si e à Internet. Aplicações práticas: o diagnóstico remoto e o suporte centralizado do sistema de navegação, ou, por outras palavras, a possibilidade de ser avisado de uma avaria iminente ou de receber, em tempo real, o itinerário que lhe permita fugir ao irritante pára-arranca.

Empenhada em tornar as estradas mais seguras, a União Europeia pretende, até 2010, dotar a rede viária de um eficiente sistema de comunicação, não só entre veículos mas também entre os automóveis e os pontos fixos.

O caminho não se advinha fácil e passa pela implementação de um protocolo de comunicação, ou seja, pelo estabelecimento de regras para a transmissão de dados. Para dar uma ideia, o projecto CVIS, um dos cinco financiados que envolve mais de 60 entidades, desde construtores de automóveis, operadores de telecomunicações, organismos públicos, entre outros. Não é realmente fácil, mas o caminho está a ser desbravado.

Não há nada mais fácil do que consumir largura de banda, entenda-se, a capacidade máxima de troca de dados na rede. Não fosse a massificação dos acessos de banda larga - ADSL, cabo, 3G - a nova rede colaborativa, conhecida como Web 2.0, não passaria de um mito. Ainda assim, quem nunca se queixou de que a Internet está lenta?

Exactamente por causa da velocidade, desde 1996 que um grupo de académicos norte-americanos trabalham no projecto Internet2. Estão a desenvolver novas aplicações bem como a infra-estrutura que as suporta. A rede em fibra óptica que já liga dois terços das universidades e um terço das escolas secundárias nos EUA terá, no próximo Verão, a impressionante capacidade para transmitir 100 gigabits por segundo. E então? Então em 2007 as primeiras aplicações há alguns anos a funcionar no projecto Internet2 deverão chegar ao mercado. Velocidade sem igual.

Por outro lado, o gigante das telecomunicações norte-americano AT&T já anunciou a distribuição de sinal televisivo sobre a Internet, levando a fibra óptica até à casa de alguns clientes de Chicago, como de resto já acontece em algumas residências de estudantes desde 2002.

E a comunidade eleita pela ‘Time’, todos nós, como fica no meio disto tudo em 2007? Reforçada e mais preparada para ser novamente rainha. Desta feita da web 3.0, a da realidade virtual.


in Expresso, Carlos Abreu