Novos Povoadores®

Apoiamos a instalação de negócios em territórios rurais

Beja, Bragança e Portalegre correm risco de desaparecer

Portugal "cada vez mais macrocéfalo" põe a maioria das cidades dependentes dos serviços públicos

Algumas capitais de distrito como Bragança, Portalegre ou Beja "estão perto de situações perigosas" num país cada vez mais macrocéfalo. Dependentes dos serviços do Estado, a sua pequena dimensão não lhes permite captar investimento privado. Portugal continua a ser Lisboa, o resto é paisagem. O centralismo "quase genético" ganhou novo alento com a União Europeia e globalização.

"É uma combinação explosiva", diz o geógrafo Álvaro Domingues. "Pequena escala misturado com pouca diversidade funcional", se falhar um sector, "pode ser o caos" em cidades como Bragança, Portalegre ou Beja. A grande dificuldade destas áreas urbanas é sobreviver sem a dependência do investimento público.

Uma universidade, por exemplo, reconhece o autarca de Bragança Jorge Nunes, seria contributo "muito importante" para a cidade. No entanto, não partilha da visão do geógrafo. "A cidade tem capacidade de se afirmar e tenta ganhar centralidade: 60% das exportações de Trás-os-Montes hoje são de Bragança."

O que define a centralidade, agora que se desfazem as fronteiras? "A presença do Governo e da administração pública", responde Álvaro Domingues. A globalização económica alterou a sede de decisão: tudo emigra para a capital - "e, se calhar, Lisboa dará lugar a Madrid". A sede da empresa EDP Renováveis, por exemplo, é em Oviedo, Espanha.

Responsável pela cadeira de Geografia, Território e Formas Urbanas, na Universidade do Porto, Álvaro Domingues lembra que Portugal sempre foi um "reino com cabeça que descentraliza pouco". Nunca nenhuma elite, "desde a Igreja à nobreza", teve poderes para inverter a regra.

"Superconcentrado" durante o Estado Novo, continua macrocéfalo. Não trava o despovoamento do interior: é um país "dependente" dos serviços públicos para sobreviver. "Vai a Coimbra, tira a universidade e os hospitais e ela afunda-se no meio do Mondego", diz Domingues - que define como "cidades do Estado" as capitais de distrito.

Para além de Aveiro e Braga, "com uma economia diversificada", existem apenas "cidades do Estado". Ou seja, sobrevivem graças aos serviços públicos, modernizados nas últimas décadas com os fundos que chegaram da União Europeia.

Mesmo assim, refere o docente da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, algumas capitais de distrito estão em situação muito difícil.

O presidente da Associação Nacional de Municípios subscreve as palavras do geógrafo. O País "é cada vez mais centralizado", e a tendência centralista "reforçou-se" com o Governo de José Sócrates. Fernando Ruas dá este exemplo: os presidentes das comissões de coordenação e desenvolvimento regionais (CCDR) "eram eleitos pelos autarcas da área correspondente, agora passaram as ser nomeados pelo Governo".

Foi também o Executivo socialista, refere Fernando Ruas, a retirar as câmaras municipais da participação no Instituto de Conservação da Natureza. Antes, os municípios tinham uma palavra na gestão das áreas protegidas.

in DN, Francisco Mangas

Parceria entre Fundação EDP e Novos Povoadores

O Grupo EDP, através da Fundação EDP, e o projecto Novos Povoadores assinaram um acordo de cooperação para o repovoamento dos territórios de baixa densidade populacional em Portugal. Em concreto, esta parceria visa atrair famílias empreendedoras para a área de influência dos novas barragens que a EDP vai construir (Baixo Sabor, Foz Tua, Fridão e Alvito), localizadas nos distritos de Braga, Bragança, Vila Real e Castelo Branco.

Este projecto faz parte de um conjunto de acções voluntárias de promoção de desenvolvimento local que a EDP está a implementar em paralelo com o seu plano de investimentos hidroeléctricos. O Grupo procura, assim, garantir que os benefícios trazidos ao país pelo maior aproveitamento dos seus recursos hídricos sejam partilhados pelas populações que vivem junto às novas barragens.

Para o projecto Novos Povoadores, esta parceria inscreve-se numa estratégia de intervenção participada, demonstrando a sinergia necessária entre os actores locais de desenvolvimento e instituições de âmbito nacional.

A mentalidade start up


“Quando participamos de uma empresa em fase de startup o mais comum é a falta de quase tudo. Não é incomum que acabemos executando atividades que não têm qualquer relação com o que fazemos normalmente, simplesmente porque algo precisa ser feito e ainda não há quem faça. Os fuzileiros norte-americanos têm uma atitude em sua tradição, definida por três palavras que resumem o espírito necessário para trabalharmos em uma startup: improvisar, adaptar-se e superar.

Quando você ainda não tem pessoal ou equipamento para executar uma atividade que precisa ser executada de imediato, é necessário improvisar. Quantas vezes me vi orientando pessoas da minha equipe a pegar um computador desktop e transformá-lo num servidor… Alguma coisa precisava ser testada ou um site precisava ser colocado no ar, mas o servidor novo para aquela função só iria chegar em duas semanas."

Leia o resto do artigo da autoria de Maurício Longo no site Startupi

Desafios ao desenvolvimento do interior


Publicamos o link para um artigo que remete para a reflexão do equilibrio territorial.
Como se sabe, o projecto Novos Povoadores pretende ir mais além da reflexão, propondo um modelo para inverter a tendência de desequilíbrio territorial.
Todos os contributos são necessários para alargar a discussão. Não deixem de participar via facebook e twitter. Até já?!

Escape the City

Introducing ANYWHERE, the book

Responsabilidade Social: Promoção do Empreendedorismo

No pressuposto que a actividade de Responsabilidade Social pretende ser uma contribuição para a sustentabilidade e não uma medida caritária para a comunidade envolvente, julgo oportuno destacar a promoção para o empreendedorismo nas escolas para a actual conjuntura económica.

Ao invés da geração dos nossos pais e avós, que poucas vezes mudavam de emprego ao longo da vida, hoje a rotatividade é bastante maior e nem sempre no enquadramento legitimamente desejado.

Esta circunstância coloca-nos, e às próximas gerações, perante um desafio de atitude face ao nosso desempenho profissional. Sendo por conta própria ou de outrem, o trabalhador tem de ter a capacidade permanente de avaliar a sua contribuição e de optimizar o seu desempenho. Esta atitude pode e deve ser desenvolvida, quanto mais cedo melhor! E esta disciplina ainda não chegou ao ensino obrigatório!

A solução é simples e eficaz: O voluntariado dos empreendedores nos estabelecimentos de ensino locais.

Se cada empreendededor disponibilizar uma manhã por mês para acompanhar uma turma na área de projecto, discutindo com os alunos sobre as oportunidades emergentes no actual contexto económico, partilhará a sua experiência da vida empresarial no melhor momento criativo daqueles que serão num futuro próximo os seus colaboradores ou parceiros de negócio.

Será gratificante para os alunos que terão acesso a um conhecimento aplicado das suas capacidades e para o empreendedor será um laboratório de criatividade empresarial: todos ficam a ganhar!

in O Interior

Tax People Back Into the Cities


For the first time in history, more than half the world's population live in cities: by 2030, three out of five people will be city dwellers. But the British are bucking this trend. The 2001 census revealed an "exodus from the cities". Since 1981, Greater London and the six former metropolitan counties of Greater Manchester, Merseyside, South Yorkshire, Tyne and Wear, West Midlands and West Yorkshire have lost some 2.25 million people in net migration exchanges with the rest of the UK; in recent years this trend has accelerated.

This is not sustainable. British people need to be cured of the insidious fantasy of leaving the city and owning a house in the country: their romantic dream will become a nightmare for people elsewhere on the planet.

The fact is that rural households have higher carbon dioxide emissions per person than those in the city, thanks to their generally larger, detached or semi-detached houses, multiple cars and long commutes (cars are responsible for 12 per cent of greenhouse gas emissions in Europe - 50 per cent in some parts of the US). The regions with the biggest carbon footprints in the UK are not the metropolises of Glasgow or London, but the largely rural northeast of England, as well as Yorkshire and the Humber. In fact, the per capita emissions of the Big Smoke - London - are the lowest of any part of the UK.

To create a low-carbon economy we need to become a nation of city dwellers. We tax cigarettes to reflect the harm they do to our health: we need to tax lifestyles that are damaging the health of the planet - and that means targeting people who choose to live in the countryside. We need a Rural Living Tax. Agricultural workers and others whose jobs require them to live outside cities would be exempt. The revenue raised could be used to build new, well-planned cities and to radically upgrade the infrastructure of existing cities.

We have an opportunity to create an urban renaissance, to make cities attractive places to live again - not just for young adults, but for families and retired people, the groups most likely to leave the city. Turning our old cities into "smart cities" won't be easy or cheap, but in a recession this investment in infrastructure will boost the economy. We need to learn to love our cities again, because they will help us to save the planet.

P. D. Smith is an honorary research associate in the Science and Technology Studies Department at University College London and author of Doomsday Men: The Real Dr Strangelove and the Dream of the Superweapon (2008). He is writing a cultural history of cities. www.peterdsmith.com

in WIRED, PD Smith

És solteira? #publicidade

"Se és solteira e vives em Dublin, vem beber um copo!
Conhecerás novos amigos e terás espelhos para dares uma olhada no baton nos dentes ou no cabelo antes de iniciares uma conversa.
Depois, bem, depois só terás de seguir em frente!"

Associação de Bares de Dublin

(anúncio de rádio)

TAP e Aeroporto de Lisboa ao rubro!

A criatividade que faz a diferença!

See Older Posts...