Novos Povoadores

Apoiamos a instalação de negócios em territórios rurais

Como se reflecte a inovação nas empresas dos distritos de Aveiro, Coimbra e Leiria

Avaliar até que ponto a inovação é transferida para as empresas e incrementa, na prática, a sua competitividade, é o aspecto essencial de um estudo, de âmbito internacional, em que participa o Instituto de Estudos Regionais e Urbanos (IERU) da Universidade de Coimbra. No trabalho que aqui se apresenta, da autoria do Professor Henrique Albergaria, director do IERU, os dados permitem desde já avaliar, ainda que numa fase precoce, a capacidade das empresas dos distritos de Aveiro, Coimbra e Leiria em definir uma estratégia de desenvolvimento assente numa base tecnológica e no grau de integração que a inovação tem no seu tecido empresarial.
«Existe a convicção generalizada de que a inovação é o ingrediente mágico da competitividade e que sem ela nem as empresas sobrevivem facilmente, nem os países conseguem prosperar. Ciente da importância da inovação e procurando aumentar a competitividade europeia, constantemente ameaçada pelos EUA e por alguns países asiáticos, o Conselho Europeu, fixou em 2000 o objectivo de converter a União Europeia, no prazo de 10 anos, na economia baseada no conhecimento mais competitiva e dinâmica do mundo (objectivo que é conhecido como a Estratégia de Lisboa).
Os dados mais recentes revelam que os objectivos associados à estratégia de Lisboa, nomeadamente o de fazer subir até aos 3% as despesas de I&D no conjunto da EU, são inalcançáveis até 2010. Mais grave ainda, existe o risco da EU continuar a perder competitividade face aos seus concorrentes mais directos. Portugal, em particular, tem redobradas razões para investir na inovação dado que a intensidade de I&D no nosso país (1% do PIB) é cerca de metade da média comunitária.
Mas investir em inovação é apenas umas das facetas do problema. Do ponto de vista económico o que interessará, em definitivo, é avaliar até que ponto a inovação é transferida para as empresas e incrementa, na prática, a sua competitividade.
A informação estatística oficial fornece elementos esclarecedores sobre a importância da inovação nas empresas, embora, por motivos de colecta de informação, o tratamento dos dados se efectue à escala nacional, privilegiando-se assim a análise sectorial ou o estudo comparativo dos diferentes países europeus.
No entanto, embora muito menos estudada, a desigual capacidade das regiões em integrar a inovação nos seus tecidos produtivos é um tema que deveria merecer uma atenção particular dada a importância que tem para a elaboração de políticas que visam promover o desenvolvimento regional sustentado.
É essa a perspectiva do projecto ATI – Aglomeração Território e Inovação, projecto internacional financiado pelo programa INTERREG IIIB-SUDOE e coordenado pela Câmara de Comércio e Indústria de Pau-Béarn em que as questões de atractividade do território e da inovação são analisadas à escala regional e infra-regional. Enquanto parceiro do projecto, o IERU começou por desenvolver um trabalho exploratório que consistiu na análise sumária dos distritos do litoral da região Centro (Aveiro, Coimbra e Leiria) na óptica da inovação. É uma síntese desses resultados que aqui se apresenta.
1. A inovação nas empresas: fontes estatísticas

Tão importante quanto saber qual a situação e as tendências a nível nacional é analisar o potencial de inovação e a capacidade que a nível regional as empresas revelam para integrar a inovação na sua actividade. A análise do perfil produtivo dos distritos de Aveiro, Coimbra e Leiria na óptica da inovação a partir dos resultados do CIS (Community Innovation Survey) corrobora essa ideia.
O CIS é um inquérito harmonizado às empresas dos países da UE que permite analisar o seu desempenho em matéria de inovação. Actualmente o CIS vai na sua 4.ª edição mas os dados que aqui se apresentam referem-se ao CIS III cujo período de referência é 1998-2000.
O universo considerado para a realização deste inquérito corresponde ao total de empresas com 10 ou mais trabalhadores e pertencentes aos sectores da indústria e dos serviços.
Para a selecção da amostra e recolha dos dados utilizou-se o método de amostragem estratificada segundo a dimensão das empresas (pequenas, com 10 a 49 trabalhadores, médias, com 50 a 249 trabalhadores e grandes, com mais de 250), e a actividade principal da empresa (3 classes e 42 actividades), pelo que os dados desagregados por distrito não têm representatividade a nível regional. Ainda assim, atendendo ao peso dos distritos analisados no total nacional, os resultados disponíveis permitem tirar algumas ilações relativamente à importância da inovação na actividade das empresas dos distritos estudados, assim como sobre o tipo de inovações introduzidas.
O número de empresas que constituem a população de referência para o CIS III em Portugal foi de cerca de 24.000 empresas, das quais 3.107 no distrito de Aveiro, 889 no distrito de Coimbra e 1.517 no distrito de Leiria.

2. Introdução de processos e produtos novos nas empresas de Aveiro, Coimbra e Leiria

Na óptica do CIS, o requisito mínimo para que se atribua a classificação de inovação é que o produto, processo, método de marketing ou organizacional seja novo (ou significativamente melhorado) para a empresa. Nessa pressuposto, que nos dizem os dados acerca da adopção de processos novos e a introdução no mercado de produtos novos?
Começando pela percentagem de empresas que afirmaram ter adoptado novos processos produtivos entre 1998 e 2000, constata-se que abaixo da média nacional (31,1% de respostas afirmativas), só figura o distrito de Leiria (27,0%). Pela positiva o destaque vai para o distrito de Coimbra que regista 47,6% de respostas afirmativas e depois para Aveiro (37,3%).
No que diz respeito à venda de produtos inovadores entre 1998 e 2000 (Quadro 1), constata-se que são muitas mais as empresas que lançam produtos novos para elas mas que já existem no mercado, do que as empresas que lançam produtos que são novos no mercado. Em ambos os casos o destaque vai para o distrito de Leiria. Assim, neste distrito, 28,7% das empresas declarou ter lançado um produto novo no mercado enquanto que em Coimbra essa percentagem foi de 21,7%, muito próximo da média nacional.
No que se refere ao lançamento de produtos que são apenas novos para as empresas que os fabricam mas que já existem no mercado, verifica-se que o destaque vai novamente para Leiria onde a taxa de respostas afirmativas atinge 40,8%, muito acima de Coimbra (28,7%) e da média nacional (27,9%).

3. Recursos humanos e financeiros afectos à inovação

No que respeita à avaliação dos recursos financeiros que as empresas afectam às actividades de inovação, os dados recolhidos permitem concluir que de todas as actividades consideradas, é na “aquisição de maquinaria e equipamento” que os montantes despendidos pelas empresas são mais avultados, atingindo 89% do total de despesas declaradas pelas empresas sedeadas no distrito de Coimbra (ver Quadro 2). Dos distritos em causa, é em Aveiro onde as despesas com a aquisição de novos equipamentos são menores, apesar de corresponderem a quase metade do total gasto em inovação. Neste distrito assumem particular relevância as despesas com “formação, marketing, projecto industrial e outros procedimentos”, aproximando-se mais da média nacional do que os restantes distritos.
No que diz respeito aos recursos humanos que se dedicam a actividades de investigação e desenvolvimento nas empresas (e medidos em ETI – equivalente tempo inteiro), o total nacional estimado no quadro do CIS III foi de 12.392 ETI. Desse total, 13% fazem parte de empresas localizadas no distrito de Aveiro, 9% localizam-se em Coimbra e apenas 3,3% em Leiria.

4. Mudanças estratégicas e organizacionais

Questionaram-se as empresas acerca de mudanças estratégicas e organizacionais ocorridas no período de 1998 a 2000 (Quadro 3). Constata-se que são as empresas leirienses as que mais inovam na estratégia e nas estruturas organizacionais, embora as empresas localizadas no distrito de Coimbra revele um desempenho satisfatório face à média nacional sobretudo no que diz respeito às mudanças estratégicas.
Na introdução de novas técnicas de gestão sobressaem as empresas de Coimbra, embora tanto Leiria como Aveiro apresentem também resultados superiores à média nacional. As empresas do distrito de Coimbra são ainda as que mais inovam nos conceitos de marketing e na estética dos produtos, apresentando, em ambos os casos, valores claramente acima da média do país.

5. Fontes de informação

Relativamente às fontes de informação de que resultaram sugestões para projectos de inovação o inquérito considera as fontes internas, as fontes de mercado, as fontes institucionais e outras. No Quadro 4 constam para cada tipo de fonte de inovação a percentagem de empresas de Aveiro, Coimbra e Leiria que atribuíram a nota “Alta” à utilização que fizeram da referida fonte.
Constata-se que as fontes internas de inovação, sobretudo as oriundas da própria empresa, assumem um papel preponderante na implementação de inovações já que mais de 35% das empresas nacionais reconhece a sua importância como “Alta”. Em termos regionais, verifica-se que as fontes oriundas da própria empresa são preponderantes e claramente acima da média nacional nos distritos de Aveiro e Leiria. As empresas do distrito de Coimbra revelam a particularidade de utilizarem em larga escala (metade do total) as fontes de inovação internas oriundas de outras empresas do grupo.
Relativamente às fontes de mercado, as respostas obtidas mostram que tanto os fornecedores como os clientes, constituem uma importante fonte de informação para uma elevado percentagem de empresas, com destaque para Aveiro e Leiria, distritos onde a taxa de respostas com a nota “Alta” em relação ao total das empresas está muito acima da média nacional. Os concorrentes, por outro lado, como seria de esperar, são a fonte de mercado a que as empresas menos recorrem.
No que diz respeito às fontes institucionais que as empresas têm ao dispor, designadamente o Ensino Superior e institutos de I&D, públicos ou privados, os dados disponíveis tornam bem evidente a sua fraca utilização. As respostas são muito insatisfatórias, principalmente tendo em conta que nestes distritos estão localizadas duas universidades públicas (Aveiro e Coimbra) e vários outros estabelecimentos de Ensino Superior ou Politécnico. Fica assim bem clara a debilidade das ligações Universidade – empresa para a transferência de conhecimentos e tecnologia, cujos efeitos poderiam ser muito favoráveis ao desempenho das empresas e ao seu posicionamento competitivo.
Nas outras fontes de informação, o destaque vai para as feiras e mostras de produtos, que 41,7% das empresas de Leiria e 37,2% de Aveiro consideraram ser um fonte de inovação “Alta”, percentagens bem superiores à média nacional (25,3%) e à registada no distrito de Coimbra (20,5%). Ao contrário, é diminuta a percentagem de empresários que atribui uma importância elevada às conferências, reuniões e publicações, enquanto fonte de inovação. Neste caso o destaque vai para Coimbra onde apenas 2,4% dos empresários classificaram esta fonte de inovação como “Alta”, percentagem bem abaixo da média nacional (8,6%).
Em jeito de conclusão, importa começar por recordar que os indicadores que definem o posicionamento de Portugal em matérias relacionadas com I&D e com a inovação, colocam o nosso País numa posição pouco invejável no contexto da União Europeia. Esta situação já de si indesejável, reflecte-se aparentemente de forma significativamente diferenciada a nível regional, como o sugere alguns dos apuramentos realizados a partir do CIS III relativos à inovação nas empresas dos distritos de Aveiro, Coimbra e Leiria.
É certo que a amostra do CIS III não foi construída para ser representativa a nível distrital e por isso os resultados aqui apresentados não podem ser interpretados sem esse alerta, embora a dimensão do enviesamento seja significativamente temperada pelo peso económica que os distritos de Aveiro, Coimbra e Leiria têm no total nacional.
Contudo, a insuficiente representatividade dos dados para este nível espacial não compromete os aspectos essenciais da análise, interessando sobretudo, para cada um dos indicadores escolhidos, estimar a ordem de grandeza da diferença dos valores que separam os distritos entre eles e em relação à média nacional.
Assim, assumindo que o principal objectivo da análise é avaliar, ainda que grosseiramente, a capacidade de cada distrito em definir uma estratégia de desenvolvimento assente numa base tecnológica e no grau de integração que a inovação tem no seu tecido empresarial, os resultados apresentados sugerem a existência de situações muito diferenciadas que não deixarão de condicionar fortemente os cenários de desenvolvimento que é possível traçar para o seu futuro».

E ainda...

Doutorado em Economia na especialidade de Planeamento e Economia Regional, Henrique Soares de Albergaria, de 57 anos, é desde 1985 Professor Auxiliar da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e tem leccionado também na Faculdade de Direito, desde 1995 no Curso de Estudos Europeus (Política Regional) e desde 2004 na licenciatura em Administração Pública (Economia Urbana).

Presidente do IERU (Instituto de Estudos Regionais e Urbanos) da Universidade de Coimbra) desde Outubro de 1991, Henrique Albergaria já foi director do INE na Região Centro (1991-2004), representante de Portugal no grupo de trabalho da OCDE sobre Indicadores Territoriais (1999-2004), no grupo de trabalho do Eurostat sobre Estatísticas Urbanas (1999-2002) e presidiu à Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Regional (1996-2005).

O Instituto de Estudos Regionais e Urbanos (IERU) da Universidade de Coimbra é um organismo interdisciplinar de investigação e formação científicas nas áreas das problemáticas regional e urbana e do desenvolvimento. Constituído em 1986 na dependência directa da Reitoria, assumiu a forma de associação sem fins lucrativos em 24 de Julho de 1992.

Os objectivos principais do IERU são a promoção da investigação científica, a prestação de serviços a instituições públicas ou particulares e o ensino pluridisciplinar de estudos de pós-graduação. Nos anos mais recentes, o IERU tem desenvolvido projectos financiados pelos programas comunitários INTERREG e ESPON, e elaborado estudos para diversos organismos, principalmente Câmaras Municipais.

O IERU, com a Região de Lafões, participa no projecto AGATE (Agricultura, Aglomeração Atlântica & Território), financiado pelo programa europeu INTERREG IIIB - Espaço Atlântico e no qual estão envolvidos parceiros de vários países (Portugal, Espanha, França, Escócia e Irlanda) e que tem, entre outros, os seguintes objectivos: Desenvolver a interdependência entre as zonas rurais e os centros urbanos; promover a cooperação entre os actores locais e as parcerias público-privados; promover a emergência de projectos estruturantes para a região.

O CIUMED, no qual o IERU participa, é um projecto financiado pelo programa comunitário INTERREG IIIB SUDOE, cujo objectivo principal é contribuir para a promoção, no sudoeste europeu, de um sistema policêntrico e equilibrado de cidades, capaz de transmitir a todos os municípios, por mais pequenos que sejam, os impulsos do desenvolvimento económico e o bem-estar social.

O projecto ATI - Aglomeração Território e Inovação, no âmbito do qual o IERU elaborou o estudo que publicamos nestas páginas, visa melhorar o conhecimento dos territórios a fim de concretizar os parâmetros da sua atractividade; procurar as ligações entre a investigação universitária e a investigação aplicada à indústria na rede de cidades médias do Sudoeste europeu, a fim de favorecer e potenciar os grandes eixos de desenvolvimento económico e os recursos locais; integrar as cidades de média na rede de inovação a fim de identificar os seus recursos próprios e o seu potencial de desenvolvimento.


in Campeão das Provincias